Tavira | Posto Agrário: “É um espaço único no coração de uma cidade como Tavira”

Regionais
Tools
Typography

Há 30 anos com ligação ao Centro de Experimentação Agrária de Tavira (CEAT), o Engenheiro António Marreiros é, atualmente, das pessoas que melhor conhece o local. Técnico Superior da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve (DRAP-Algarve), é o protagonista do terceiro episódio da coletânea ‘Histórias do Posto Agrário’, desenvolvido pelo movimento de Cidadãos pelo CEAT e Hortas Urbanas de Tavira, no qual descreve as várias coleções de variedades de espécies fruteiras e a importância da sua preservação.

António Marreiros chegou ao "Posto Agrário" nos anos 90, desses tempos recorda “o dinamismo” e os “muitos projetos desenvolvidos”. As coleções de romanzeiras, alfarrobeiras, macieiras e amendoeiras, tal como estão agora, foram instaladas em 2013. Antes tinham sido instaladas coleções de nespereiras na década de 80 e de figueiras e vinha na década de 90.

“Biodiversidade que interessa preservar”

Como exemplo de recuperação de uma espécie, mostra-nos o pêro de Monchique, fortemente atacado em incêndios recentes, e que está a ser alvo de um projeto de preservação e desenvolvimento, antes de ser devolvido ao habitat natural de Monchique e aos agricultores.

É por ser um grande conhecedor do espaço e por ali haver muito saber adquirido, que o Técnico Superior sublinha que o Centro Agrário de Tavira “é um espaço único aqui no coração de uma cidade como Tavira”, de igual modo que realiza um trabalho muito importante na preservação dos recursos genéticos naturais.

Histórias do Posto Agrário - 3º testemunho, Engenheiro António Marreiros

 

CEA TaviraAntonioMarreirosTavira1

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS