Bispo do Algarve Desafia Cristãos a estar "Na Linha da Frente"

Regionais
Tools
Typography

O Bispo do Algarve, D. Manuel Neto Quintas, enviou a todas as comunidades católicas algarvias uma NOTA PASTORAL(documento) na qual exorta «todo clero algarvio, particularmente os nossos párocos com os leigos que os assistem», «a Cáritas Diocesana e o Departamento de Pastoral Social», ou seja, toda a comunidade católica algarvia, a sentir-se «na linha da frente, comprometida e empenhada na resposta às emergências sociais já existentes ou que, porventura, possam vir a surgir ou a aumentar», resultantes da crise económica provocada pela Covid-19.

D. Manuel Neto Quintas, olhando para a situação da economia mundial, que diz, «está há muito desequilibrada», situação essa que foi «agravada ainda mais por esta Pandemia» e olha, igualmente, para a situação portuguesa: «No caso português a economia entrou em recessão, registrando uma queda no Produto Interno Bruto de 16,5% no 2º trimestre deste ano, segundo o Instituto Nacional de Estatística, sendo que a crise que se vive é já reconhecida como mais grave que a crise financeira de 2012, em termos dos efeitos negativos sobre as economias e o aumento do desemprego». No Algarve, que possui «uma estrutura produtiva muito centrada no turismo e nas suas áreas afins», o problema agrava-se mais ainda, existindo um «aumento invulgar do desemprego nesta época do ano, com o aumento a rondar as 100 mil pessoas, o que corresponde a nível nacional, a mais 29% de desempregados (406.665 desempregados)», afirma o prelado algarvio.

«Os números espelham as várias histórias de vida, de muitas mulheres e homens que trabalhavam no Verão para conseguirem sobreviver o resto do ano e que agora viram, de forma abrupta, o seu sustento suspenso ou reduzido, encontrando-se sem quaisquer perspectivas de melhoria no curto prazo». Estes dados são confirmados pelas diversas instituições e organizações ligadas à Igreja, como a «Cáritas Diocesana e as Cáritas Paroquiais, os Vicentinos, os grupos sócio caritativos paroquiais, os refeitórios sociais», que registam um considerável e expressivo aumento no número de pessoas que têm vindo a apoiar. Vive-se, por isso, nas palavras de D. Manuel Quintas «uma emergência social no Algarve», que não poderá ser ultrapassada, afirma, citando o Papa Francisco, sem aquilo que «é "realmente importante e necessário"», ou seja, a «"solidariedade e fraternidade"» e que nos permitirá «não esquecer o valor inestimável de cada vida humana, a riqueza da vida dos idosos, a redescoberta do papel da família, o papel do Estado, mas também o da sociedade civil».

Para que essa solidariedade se cumpra, o Bispo do Algarve aponta caminhos para a região: «O Algarve tem carências elevadas nas respostas sociais e na área da saúde, que urge colmatar. Não só o sistema económico e social vigente deve colocar a pessoa humana no centro da sua atuação, mas a saúde pública deve procurar a equidade e ser reforçada na região. É tempo de fazer diferente». E acrescenta: «É tempo de valorizar o que é nosso, não esquecendo as festas e tradições, ainda que as vivendo de modo distinto, consumindo produtos locais, fazendo aqui as suas férias, usufruindo da gastronomia regional na restauração, visitando os nossos monumentos e museus, cumprindo sempre as normas de segurança e os cuidados previstos para este tempo. Deste modo, estaremos a construir a comunhão e a ajudar o próximo, estaremos a reerguer a economia do nosso Algarve, sem deixar de beneficiar do necessário descanso, bem como do convívio e da presença reconfortante dos que mais gostamos».

Assim, para D. Manuel Neto Quintas, «todos deverão ter um papel neste momento, a começar pelos governantes, que o prelado considera serem capazes de «avaliar e compreender a realidade especial que se vive nesta região e encontrar fórmulas apropriadas para ajudar a preservar empregos e fazer a economia retomar o seu crescimento», sem  «normas administrativas complexas e exigentes» que não se compadecem com a situação presente.

Do mesmo modo, a Igreja Diocesana quer «deixar a todos uma palavra de esperança» e «ser parte ativa não só na reflexão sobre este problema, que é de todos», como também na «mobilização para a linha da frente, no apoio aos mais necessitados, para reerguer a vida pública, familiar e cristã». «Estamos todos no mesmo barco», diz o Bispo do Algarve e é nesse espírito de comunhão, que nos faz a «todos, sem exceção, parte da grande família humana», que nos leva «enquanto cristãos», a sermos desafiados a «criar sinergias solidárias e fraternas, geradoras da esperança que anima e fortalece». 

Diocese AlgarveBispoAlgarve

 
BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS