Faro | "Festival F" e "Açoteia – Faro Rooftop Festival" juntam-se a Movimento Inédito

Regionais
Tools
Typography

Pela primeira vez, as entidades promotoras de espetáculos, festivais e eventos em Portugal juntam-se para lançar uma iniciativa de âmbito nacional. DeclareAção é a primeira declaração em que para “assinar” é preciso agir. O movimento inédito, apresentado esta manhã na Câmara Municipal de Lisboa, surge no ano da Capital Verde Europeia 2020 e visa desafiar a comunidade nacional a adotar comportamentos em prol de uma sociedade mais justa e equilibrada, utilizando as plataformas digitais e o seu potencial mobilizador como principal canal de convocação.

O movimento nacional de consciencialização por um mundo melhor é lançado por 15 entidades, das quais fazem parte a Better World (promotora do Rock in Rio), Câmara Municipal de Loulé (organizadora do Festival MED), Câmara Municipal de Sines (promotora do FMM Sines), Everything is New (promotora do NOS Alive), Live Experiences (responsável pelo EDPCOOLJAZZ e ID NO LIMITS), MOT (organizadora do RFM SOMNII), Música no Coração (promotora dos festivais Galp Beach Party, Super Bock Super Rock, Super Bock em Stock, MEO Sudoeste, Sumol Summer Fest), PEV (promotora do MEO Mares Vivas), Pic Nic (promotora do NOS Primavera Sound), Ritmos (promotora do Vodafone Paredes de Coura), Câmara Municipal de Faro(organizadora do Açoteia – Faro Rooftop Festival e Festival F) e Sons em Trânsito (Festival F), Surprise & Expectation (EDP Vilar de Mouros), APEFE e APORFEST, desafiando agora empresas e entidades públicas e privadas, de todos os setores, a juntarem-se à causa.

Para criar esta “declaração de ações” as entidades irão desafiar jovens lideranças de todo o país para um workshop do qual resultarão 17 atitudes. Essas atitudes, baseadas nos ODS da ONU (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável), focar-se-ão em áreas tão distintas como as alterações climáticas, a diversidade, a inclusão social, o desenvolvimento económico, a reciclagem, entre outras, cumprindo todas elas com a premissa de contribuírem ativamente para a construção de um mundo melhor.

O processo de seleção destes jovens passará por três fases. Na primeira, será levada a cabo uma pesquisa de metodologia quantitativa e qualitativa, com validação etnográfica, para identificação dos perfis de jovens líderes com voz ativa nas suas comunidades. Identificados esses jovens, com idades compreendidas entre os 16 e os 30 anos, serão selecionados cerca de 30, oriundos de diferentes distritos do país, de diferentes géneros, nacionalidades, classes sociais e nível de formação. Numa terceira etapa, o coletivo de jovens então formado será desafiado num Workshop com metodologia Torke CC (comprovada em mais de 300 workshops, em 14 países diferentes), onde de forma colaborativa trabalharão o desenvolvimento das “atitudes” com base nas ODS. Os jovens que se queiram voluntariar para participar no processo de definição das atitudes poderão fazê-lo através do email Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar., até 31 de janeiro.

A seleção dos jovens, assim como o workshop, decorrerá já no próximo mês de fevereiro, sendo estando a divulgação das 17 atitudes agendada para o início de março. É nesta altura que as atitudes então definidas pelo coletivo de jovens serão transformadas em GIFs, a serem utilizados como “assinatura” digital da DeclareAção. Ao mesmo tempo será lançada uma landing page que funcionará como hub agregador das boas atitudes, onde se reúnem todas as ações que vierem a ser implementadas por empresas, escolas, influenciadores e pelo público em geral, partilhadas nas redes sociais e utilizando os GIFs e o hashtag #DeclareAcao.

Recorde-se que em 2019 se realizaram 287 festivais de música só em Portugal, acumulando um total de 2,1 milhões de visitantes. A par com este estudo, dados da Forbes indicam que 94% da Geração Z afirma que a música é muito importante na sua vida, enquanto 45% afirma que o seu artista preferido influencia o seu estilo de vida. Já dados do Spotify revelam que 79% dos utilizadores acredita que a música permite às pessoas conectarem-se entre si e com outras culturas. Torna-se, com isto, evidente o potencial influenciador e transformador dos festivais nas comunidades locais e nacionais onde ocorrem, assim como a responsabilidade de assumirem uma atitude positiva e que contribua para a construção de um mundo melhor.

Para o Vice-Presidente da Câmara Municipal de Faro, ficou bem patente na sua intervenção durante a cerimónia de apresentação do projeto que estas premissas são já uma preocupação do evento: “o Festival F é organizado partindo de um imenso respeito pelo património natural e histórico. Em 2019 para além de olharmos para a Ria, entrámos na Ria, com um concerto diário a bordo de um barco ecológico”, enfatizou Paulo Santos.

"O Festival F não podia deixar de se associar ao projeto DeclareAção. Organizar um festival que se implanta no centro histórico, integra e anima o património edificado da cidade, envolve os seus residentes e visitantes e abraça um parque natural é certamente um desafio do ponto de vista da sustentabilidade. O Festival F quer crescer e afirmar-se nesta área garantindo a redução e separação dos resíduos produzidos, a utilização de copos recicláveis, a minimização do recurso a materiais de utilização única, oferta de transporte público e dedicado, mas também na criação de condições para que todos os públicos, independentemente das suas limitações, possam fruir deste festival único.”

Paulo Santos, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Faro, e Vasco Sacramento, Sons em Trânsito (Festival F)

Faro conta ainda com outro evento associado a este manifesto que é o Açoteia – Faro Rooftop Festival em que “um dos principais pilares é justamente a sustentabilidade, para além da comunidade e da arte, convida a olhar a cidade de uma perspectiva diferente. Faro apresentou uma candidatura ao Europa Criativa que propõe pensar as cidades a partir de cima”, explicou Paulo Santos.

“Para o Açoteia – Faro Rooftop Festival, um evento que tem na Sustentabilidade um dos seus grandes pilares, a par da Comunidade e da Arte, fazer parte de um projeto como o DeclareAção é estar no seu “ambiente natural”. É sob estes prismas que o Açoteia convida a redescobrir as açoteias da cidade de Faro e a inspirar a criação de uma nova visão para estes locais: nas áreas da eficiência energética, reutilização de águas, criação de hortas urbanas, mas também na abertura daqueles espaços à comunidade, tendo na arte a forma de criar uma nova interpretação dos mesmos e uma nova perspetiva sobre a cidade.”

Paulo Santos, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Faro (Açoteia – Faro Rooftop Festival)

GRP da CM FaroDeclareacaoFaroDeclareacaoFaroRooftop

 

 

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS