Loulé | Próxima temporada do Cine-Teatro Louletano

Regionais
Tools
Typography

O Cine-Teatro Louletano acaba de anunciar a sua nova temporada (janeiro a julho de 2019) de programação artística, prosseguindo com uma ampla oferta artística dirigida a públicos diferenciados e pautada pela qualidade, diversidade e originalidade, e continuando assim a afirmar esta sala de espetáculos como uma referência no Sul do país.

Em 2019 surgirá um novo auditório na cidade, situado no Solar da Música Nova (junto ao Conservatório de Música de Loulé – Francisco Rosado), o qual vem potenciar e permitir a implementação de novos e ambiciosos projetos e dinâmicas ao nível da intervenção cultural camarária ligada às artes performativas, numa lógica de programação em rede, concertada e complementar entre esse espaço e o Cine-Teatro Louletano. Enquanto este último continuará a privilegiar a apresentação de propostas diversificadas, de maior fôlego, nas áreas do Teatro, Dança, Música e Multidisciplinar, o novo auditório vai centrar a sua ação num projeto de mediação artística e cultural que terá como principais vetores: a aproximação dos públicos ao universo da Música e suas múltiplas derivações e diálogos; as dimensões formativa (formal e informal) e reflexiva; a arte para a infância; as residências artísticas no âmbito das artes do palco; e uma estreita articulação, quer com o Conservatório de Música, quer com as associações culturais do Concelho e a comunidade escolar.

Relativamente à programação para o Cine-Teatro, o universo do Teatro constitui uma clara aposta estratégica da grelha deste semestre, com a presença de diversas companhias, encenadores e atores de renome a nível nacional. Soma-se, ainda, um incremento muito significativo do número de coproduções, num total de nove para esta temporada (algo pouco habitual a nível nacional fora das urbes lisboeta e portuense), com especial ênfase no campo teatral: Teatro do Eléctrico, Teatro da Terra, Carla Maciel, Catarina Requeijo, João de Brito, Ana Borges/corpodehoje – sendo estes dois últimos criadores sediados no Algarve. É de sublinhar ainda a realização de uma encomenda artística do Cine-Teatro Louletano ao já reconhecido encenador quarteirense Ricardo Neves-Neves para uma releitura contemporânea, a nível teatral, da Festa da Mãe Soberana, transpondo esta emblemática manifestação religiosa, de forma inédita, para um contexto de palco.

O lançamento, também em modo de coprodução e numa parceria com a associação louletana Folha de Medronho – Associação de Artes Performativas de Loulé, de um novo festival de teatro, denominado Tanto Mar, dedicado exclusivamente a peças criadas por estruturas sediadas em países falantes da língua portuguesa, promovendo assim a lusofonia cultural na região algarvia, é igualmente um aspeto a realçar nesta temporada.

A estreia do encenador João Samões em Loulé, a peça “Improvável” da ACTA – A Companhia de Teatro do Algarve e um novo modelo de apresentação pública do Cenários – Mostra de Teatro do Concelho de Loulé são ingredientes que marcam também a programação no campo teatral.

Prossegue a visibilidade conferida à dança contemporânea, neste caso quer com a estreia absoluta no Sul do país, em Loulé, das novas criações de duas das mais prestigiadas companhias portuguesas (Olga Roriz e Clara Andermatt, esta última coproduzida pelo Cine-Teatro), quer com a apresentação de propostas diferenciadoras, inclusive com uma dimensão internacional, integradas no prestigiado festival encontros do DeVIR organizado pelo CAPa – Centro de Artes Performativas do Algarve, agora em quinta edição sob o tema “Denúncia”.

A nova temporada enfoca, mais uma vez, no universo do Cinema com três mostras temáticas de inegável relevância (Monstrare – Mostra Internacional de Cinema Social, Mostra de Cinema da América Latina e Festa do Cinema Italiano), trazendo assim a Loulé as mais recentes e melhores produções nestas áreas.

No que concerne à Música, é de frisar a continuação de uma vincada aposta em estrear em Loulé espetáculos que venham pela primeira vez ao Algarve ou ao Sul do país, fazendo de Loulé uma frente avançada em termos culturais e incluindo, assim ,nomes de primeira linha do panorama nacional, como Pedro Abrunhosa ou António Zambujo (que vêm estrear no Sul os seus novos discos), Cristina Branco, entre outros.

Há uma preocupação em apresentar concertos especiais, que revelem ingredientes inovadores e inesperados ao nível dos intervenientes, temáticas e/ou formatos, como sejam os casos dos espetáculos de Sam The Kid & Mundo Segundo com Napoleão Mira (juntando em palco filho e pai, pela primeira vez, a 24 de abril), do tributo a Carlos Paião a 15 de junho (uma estreia absoluta no Sul deste formato com vários intérpretes de renome nacional), do concerto da banda algarvia Íris ou do acordeonista Nelson Conceição (que apresenta o seu novo disco), ou ainda do tributo “Por terras do Zeca”, que junta em palco Zeca Medeiros, Filipa Pais, Maria Anadon e João Afonso.

O acolhimento de propostas artísticas de elevada qualidade que integram o programa 365 Algarve – que pretende reforçar e enriquecer a oferta cultural na denominada “época baixa” na região –, neste caso com os concertos “West Side Story” (com os pianistas Armando Mota e António Rosado, acompanhados pelos Percussionistas de Lisboa) e a estreia mundial da nova obra de Mário Laginha (com o Quarteto de Matosinhos), constitui igualmente um vetor fundamental da programação. A prossecução da aposta na música clássica, com vários eventos de referência integrados no FIMA – Festival Internacional de Música do Algarve, também se insere nessa lógica de acolhimento de eventos inseridos no programa 365 Algarve.

A nova temporada espelha ainda um enfoque muito significativo na programação dirigida à comunidade escolar do Concelho de Loulé, percorrendo uma linha que vai desde o pré-escolar (Catarina Requeijo apresenta a criação “É pró menino e prá menina”, centrada numa questão extremamente atual: a igualdade de género), passando pelo 1.º ciclo (a reconhecida dupla formada pelo coreógrafo Victor Hugo Pontes e pela pianista Joana Gama revisitam o tema da noite e do medo; e a criadora Ana Borges faz a apologia da positividade na vida com o seu novo espetáculo de teatro e dança “Abel e Amália”), até à faixa adolescente, em que o encenador algarvio João de Brito explora a seguinte interrogação: “Será a amizade capaz de sobreviver à mudança?”.

Permanecem as rubricas regulares que assentam na reflexão e debate em torno de temas ligados à Cultura, Artes e Letras, bem como na valorização de figuras locais dotadas de um percurso singular e relevante (respetivamente, os formatos “Conversas à Quinta” e “Dos Sabores da Cultura”). Em 2019 são convidados a docente universitária e gestora cultural Maria Cabral, o encenador Nuno Carinhas, o maestro Osvaldo Ferreira e o músico (baixista) Marco Martins.

A continuidade de uma opção estratégica (iniciada em 2017), que consiste em privilegiar o campo da arte para a infância (bebés, pais e profissionais que trabalham com esta faixa etária), através da parceria estratégica com duas companhias de referência a nível nacional, a Companhia Musicalmente (Leiria) e a Companhia de Música Teatral (Lisboa), continua a ser uma tónica da programação do Cine-Teatro Louletano. Daí que na próxima temporada sejam privilegiadas várias ações de formação, espetáculos e palestras/debates a pensar nesse objetivo, numa parceria quer com os jardins-de-infância do Concelho, quer com a Universidade do Algarve (Escola Superior de Educação e Comunicação).

Em relação à programação prevista para o auditório do Solar da Música Nova (que inaugurará a 1 de fevereiro de 2019 com um concerto especial coordenado pelo Professor Manuel Rocha e envolvendo os docentes do Conservatório de Música de Loulé, fruto de uma encomenda do Cine-Teatro), a aposta incide claramente na área da mediação artística e cultural, apresentando um trabalho que sustenta, alimenta e justifica a agenda proposta pelo Cine-Teatro. Assim, e em concertação com as escolas da cidade e o Conservatório de Música, será realizada em março uma semana temática em torno da música clássica coordenada pelo prestigiado maestro Osvaldo Ferreira, na qual se incluirão diversos formatos (concertos, formação e conversas performativas, no auditório e nas escolas) que pretendem aproximar, de um modo efetivamente acessível e atrativo, o grande público da linguagem musical erudita.

Também na linha da mediação musical, Pedro Jóia, figura maior da guitarra clássica, encetará o ciclo “Instrumentalia” com conversas performativas, masterclass e concerto em modo de carta branca em maio de 2019, enquanto a reconhecida Luísa Sobral abre o ciclo “Pessoalíssima”, revisitando temas que marcaram a sua vida num formato de concerto comentado. De destacar ainda o arranque de um novo ciclo musical intitulado “Ilustres Desconhecidos”, cuja motivação principal é a valorização e apresentação de projetos musicais (quer da região, quer exteriores à mesma) emergentes e/ou desconhecidos do público algarvio. Neste ciclo participarão o projeto algarvio Galopim e Raquel Ralha & Pedro Renato (ex-Belle Chase Hotel), Lince (de Sofia Ribeiro) e Cassete Pirata.

A arte para a infância constitui igualmente uma prioridade na programação do novo auditório, com duas ações de formação, uma de cariz intensivo e outra imersiva (este último modelo numa estreia absoluta a Sul depois de três anos de ocorrência na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa), dirigidas a educadores, animadores, artistas/músicos e mediadores, a realizar entre fevereiro e julho de 2019 e dinamizadas pela já aludida Companhia de Música Teatral.

Para mais informações os interessados podem contactar o Cine-Teatro Louletano pelo telefone 289 414 604 (terça a sexta-feira, das 13h00 às 18h00) ou pelo email Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar..

O Cine-Teatro Louletano é uma estrutura cultural no domínio das artes performativas da Câmara Municipal de Loulé e está integrado na Rede Azul – Rede de Teatros do Algarve e na Rede 5 Sentidos.

Fonte: GAP da CM LouléPareceQueMundoTeatro

 

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS