Faro | Pensar Abril, Viver Abril - A Resistência na Luta pela Liberdade e a Democracia

Regionais
Tools
Typography

Num ano onde as Comemorações do 25 de Abril mereceram um vasto e diversificado programa no Município de Faro, o próximo dia 18, pelas 18h30, no Club Farense, ficará marcado pelo último colóquio do ciclo “Pensar Abril, Viver Abril”.

“A Resistência na luta pela Liberdade e a Democracia” será o tema que trará até Faro: Carlos Brito, José Pedro Soares e Isabel do Carmo, alguns dos mais conhecidos e destacados presos políticos que nunca calaram a sua voz perante a ditadura e que, por esse motivo, eram constantemente alvo de perseguição e encarceramento.

Carlos Brito, foi perseguido pela sua atividade como militante comunista e preso 3 vezes, cumprindo um total de 8 anos de prisão nas cadeias do Aljube, Caxias e Peniche, onde foi duramente torturado. Liberto em 1966, assumiu na clandestinidade, enquanto funcionário do PCP, a responsabilidade por diversas ações de propaganda contra o regime. Em 1967 chegou à direção do partido e, na década de 1970, era um dos principais operacionais no ramo militar, tendo tido um papel especial na mobilização do partido para o golpe de 25 de abril de 1974.

José Pedro Soares, após terminar a antiga 4ª classe, estudou à noite na escola técnica onde, juntamente com amigos, criou um movimento associativo contra o fascismo e a guerra colonial, defendendo a libertação dos presos políticos. Em 1971, com 21 anos, seria preso e só 3 anos mais tarde, no dia seguinte ao 25 de Abril de 1974, voltou à liberdade. Esteve em Caxias e Peniche onde foi alvo de torturas, espancamentos e muitos interrogatórios, depois de ter sido condenado por pertencer à oposição democrática, ser membro do PCP e lutar contra a guerra colonial.

Isabel do Carmo foi militante do PCP durante a sua juventude e anteriormente ao 25 de Abril de 1974. Fundou e dirigiu o Partido Revolucionário do Proletariado e as Brigadas Revolucionárias (PRP-BR), dirigiu o jornal Revolução: porta-voz do Partido Revolucionário do Proletariado - Brigadas Revolucionárias e foi uma das figuras mais destacadas do Processo Revolucionário em Curso (PREC). Foi detida e presa diversas vezes pela PIDE/DGS, tendo estado presa cerca de 4 anos até ser finalmente absolvida.

Fonte: SC da CM FaroViverAbrilFaro

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS