Notícias

Grid List

Medicina Interna será cada vez mais decisiva no Tratamento do Doente. A Sociedade Portuguesa de Medicina Interna acaba de disponibilizar a plataforma de submissão de resumos para o 25º Congresso Nacional de Medicina Interna, que se vai realizar de 23 a 26 de maio de 2019, no Centro de Congressos do Algarve, em Vilamoura.

Esta iniciativa, organizada em parceria com o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, terá como lema central “a Medicina Interna no centro da decisão”, uma posição que, segundo Armando Carvalho, presidente do congresso, “permitirá à nossa especialidade ter futuro e contribuir para um futuro melhor daqueles a quem servimos”.

O internista acrescenta ainda que “com o aumento da complexidade dos doentes e do progresso da medicina, a multidisciplinaridade irá ser cada vez mais decisiva na abordagem dos doentes e do seu tratamento, o que exige equipas cada vez mais diversificadas, lideradas pelos internistas que trazem consigo uma visão abrangente dos problemas”.

Com esta edição, a qual se perspetiva ter a maior participação de sempre, a organização pretende promover a discussão sobre o papel central da Medicina Interna em áreas como a decisão e gestão clínica, planificação dos cuidados de saúde, e inserção da inteligência artificial na prática hospitalar.

As inscrições para o congresso, assim como as submissões de resumos, aceites até dia 22 de fevereiro de 2019, devem ser efetuadas online: https://www.spmi.pt/25congresso/resumos/

Sobre a SPMI

A Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI) é uma das maiores sociedades científicas médicas portuguesas, que congrega os internistas, que são a base do Serviço Nacional de Saúde nos hospitais. Um dos seus maiores desígnios é a divulgação do conhecimento, dirigida aos médicos e à população, no campo muito vasto da Medicina Interna. Para além da Medicina Curativa, quer ser também cada vez mais reconhecida no campo da prevenção da doença e promoção da saúde. Para mais informações consulte https://www.spmi.pt/

Fonte: MiligramaMedicinaInterna

Depois do encerramento temporário de alguns equipamentos públicos, por impossibilidade de harmonização de procedimento no respeitante ao processo de liquidação da empresa municipal Novbaesuris (31 de dezembro de 2018), a câmara municipal reabre a partir de amanhã, com os recursos que lhe foram disponibilizados, o Castelo da Vila e a Casa do Sal, em Castro Marim, provisoriamente com entradas gratuitas.

A fim de honrar os compromissos assumidos com a Região de Turismo do Algarve e no sentido de prestar o melhor serviço à comunidade, à região e ao turista, o Posto de Informação Turística de Castro Marim, tutelado por essa entidade, é transferido, também temporariamente, para a Casa do Sal.

Horários:

Casa do Sal: Todos os dias, entre as 10h-13h e as 14h-18h

Castelo: Todos os dias, entre as 09h-17h

Fonte: GI da CM Castro MarimCasteloCMarim

Vão decorrer as VI Jornadas SPPD-Algarve, sob o tema "Celebrar a Diferença, Ser Igreja em Missão". As presentes Jornadas, serão realizadas na Paróquia de São Luís em Faro no dia 16 de Fevereiro de 2019, a participação é livre e o almoço é partilhado. 
 
Esta edição, conta com uma novidade para a integração de todos. Enquanto decorre a Palestra com os testemunhos dos nossos convidados, no grande salão, ocorrerá em simultâneo, em sala contígua, Atelier de atividades Lúdico/Pedagógicas, onde as pessoas que pela sua "condição" ou vontade, não se sintam enquadradas nas preleções. Este pode ser um miminho de conforto na vida de algumas pessoas, neste início de ano. 
Se conhece ou faz parte de algum grupo que possa participar, ajudando na animação da Festa da Alegria, que se realiza no período da tarde, devem fazer o favor de indicar o Grupo, o que apresentam (música, representação, dança ou outro) e o tempo estimado de atuação.
 

Quem pretender participar no período da manhã, deve efetuar a inscrição, para que se possa proporcionar as melhores condições a todos os participantes, enviando para este e-mail Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. os seguintes elementos:

- Nome (caso seja uma inscrição coletiva, bastará o nome de uma pessoa e o número de acompanhantes e identificar o número de pessoas com deficiência);
- Instituição/Família/Próprio;
- Localidade;
- Número de contacto.

Desejamos que, juntos, possamos de facto fazer a diferença na vida de cada um, cumprindo e ajudando a cumprir a missão de todos!

Fonte: Equipa Diocesana SPPD-AlgarveJornadasDiferencaSLuis

Luís Moniz Pereira é o próximo convidado do Ciclo de Conferências “Horizontes do Futuro”, no dia 21 de fevereiro, pelas 21h30, no Salão Nobre dos Paços do Concelho de Loulé. Este investigador traz um tema bem atual – a Inteligência Artificial – numa apresentação denominada “Moral para Máquinas & a Maquinaria da Moral”.

«Estamos numa encruzilhada entre a Inteligência Artificial, a Ética para Máquinas, e seus impactos sociais. Publiquei em 2016 ‘Programming Machine Ethics’, um livro de incursões nessa terra incógnita. Nele emprego ‘Logic Programming’ e ‘Evolutionary Game Theory’ e endereço dois reinos morais: o cognitivo e o populacional.

Nesta palestra vou abordar a problemática da Ética para Máquinas e algumas suas questões salientes para a sociedade, nomeadamente quanto à filosofia moral; jurisprudência e regulamentação; desenho de agentes morais autónomos; ensino e aprendizagem da moral; software eticamente seguro; e aplicações».

Luís Moniz Pereira é o investigador português com mais publicações científicas e projetos de Inteligência Artificial, ao longo de 40 anos.

É Engenheiro Eletrotécnico pelo Instituto Superior Técnico, doutorou-se em Cibernética, em 1974, pela Universidade Brunel, foi Research Fellow na Universidade de Edimburgo, e obteve, em 1980, a Agregação em Inteligência Artificial pela Universidade Nova de Lisboa. É Doutor honoris causa pela Universidade de Dresden.

Considerado um dos fundadores da Programação em Lógica, fundou e presidiu a Associação Portuguesa Para a Inteligência Artificial. Foi Prémio Ciência da Fundação Gulbenkian, em 1984, Prémio Boa Esperança, em 1994, e Prémio Estímulo à Ciência, em 2005. Fellow eleito do Comité Coordenador Europeu para a Inteligência Artificial.

Presentemente é professor catedrático de Informática, aposentado desde os 60 anos, investigador em Inteligência Artificial do "NOVA Laboratory for Computer Science and Informatics" da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, e membro do conselho científico do IMDEA-Software, Madrid.

Publicou centenas de artigos e desenvolveu ferramentas de software, tendo lecionado Inteligência Artificial e Ciências Cognitivas. Doutorou 19 investigadores.

Foi também consultor internacional em projetos de investigação da Apple, DEC, Westinghouse, World Health Organization.

As suas áreas de investigação atuais centram-se no Raciocínio Computacional, Teoria Evolucionária dos Jogos, Moral das Máquinas e Ciências Cognitivas.

Fonte: GAP da CM LouléLuisMonizPereira

A ERP Portugal e a Novo Verde, entidades gestoras de resíduos, estarão em Lagoa (Algarve), nos dias 18 e 19 de janeiro, para participar no Seminário Nacional do Programa Eco-Escolas 2019. Neste evento, dirigido a professores, técnicos de Municípios e profissionais ligados à educação ambiental, a ERP Portugal e a Novo Verde estão presentes com as iniciativas Geração Depositrão e Geração Verdão.

A ERP Portugal e a Novo Verde participam no painel ‘Projetos para as Eco-Escolas’, dedicado à apresentação das dinâmicas das iniciativas e perspetivas para 2019 (dia 19, às 17h15).

Para Filipa Moita, Responsável de Comunicação e Sensibilização da ERP Portugal e da Novo Verde, “estes desafios mobilizam as escolas e a comunidade para a adoção efetiva de comportamentos ambientais, traduzidos no encaminhamento correto e seletivo de resíduos. Ao longo destes anos, temos sentido que a mensagem dirigida primeiramente às escolas é cada vez mais difundida às entidades e empresas locais, que se revelam agentes ativos na recolha, com especial destaque para os elétricos e eletrónicos em fim de vida. O contributo de todos é crucial para garantirmos que os resíduos chegam ao seu destino final, dando origem a matérias-primas secundárias e/ou ao tratamento de substâncias nocivas, como é o caso das pilhas e lâmpadas fluorescentes”.

A Geração Depositrão, promovida pela ERP Portugal, e a recém-criada Geração Verdão, promovida pela Novo Verde, são desafios lançados às Eco-Escolas, cujo objetivo é promover comportamentos ambientais corretos junto dos mais novos. O primeiro promove o encaminhamento adequado de equipamentos elétricos e eletrónicos e pilhas em fim de vida e o segundo dedica-se à sensibilização dos jovens na gestão de resíduos de embalagens. Deste modo, as escolas funcionam como pontos de recolha e informação sobre o tema.

Nos últimos anos, a Geração Depositrão envolveu mais de 900 escolas e entidades de todo o país, mobilizadas para a recolha de Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos (REEE) e Resíduos de Pilhas e Acumuladores (RPA). Importa também destacar os números expressivos destes 10 anos, já que no total foi possível o correto encaminhamento de mais de 2.500 toneladas de REEE e RPA. Neste momento decorre a 11ª edição daquela que é a campanha escolar de recolha de REEE e RPA a decorrer há mais anos consecutivos, com o apoio da LG, Orima, Pingo Doce e Worten.

Em paralelo decorrem atividades criativas da Geração Verdão nas Eco-Escolas do 1º Ciclo do Ensino Básico.

O Seminário Nacional Eco-Escolas 2019, organizado em parceria com o município de Lagoa, constitui um momento de atualização, co-aprendizagem e partilha entre profissionais na área da educação para a sustentabilidade. Lagoa, Cidade Educadora, possui atualmente mais de 50% das suas escolas no Eco-Escolas.

Consulte a agenda detalhada do seminário aqui.

Fonte: HK StrategiesEcoEscolasLagoa

Os rotários de Faro elegeram o Profissional do Ano 2018-19 o Cor. Dr. Luís Villas-Boas, o pai da Emergência Infantil e do Refúgio Aboim Ascensão, que, após uma carreira militar brilhante, já dedicou 35 anos da sua vida ao voluntariado na salvaguarda de crianças em risco.

Várias vezes contactado para exercer elevadas funções na política, tudo trocou pelas suas crianças. A respetiva homenagem decorreu num jantar no Restaurante "Faz Gostos", no passado dia 15, com assistência de rotários de clubes do sotavento algarvio.

Fonte: Rotary Club FaroLuisVillasBoas2LuisVillasBoas3

A Guarda Nacional Republicana, para além da sua atividade operacional diária, levou a efeito um conjunto de operações, em todo o território nacional, entre os dias 11 e 17 de janeiro, que visaram a prevenção e combate à criminalidade violenta, fiscalização rodoviária, entre outras, registando-se os seguintes dados operacionais:

  1. Detenções: 414 detidos em flagrante delito, destacando-se:
  • 185 por condução sob o efeito do álcool;
  • 76 por condução sem habilitação legal;
  • 38 por tráfico de estupefacientes;
  • 17 por furtos e roubo;
  • 15 por posse de arma proibida;
  • Um por ameaças e coação;
  • Um por ofensas à integridade física.
  1. Apreensões:
  • 3 085 doses de heroína;
  • 1 435 doses de haxixe;
  • 327 sementes de liamba;
  • 48 doses de cocaína;
  • 48 doses de liamba;
  • 974 munições de diversos calibres;
  • 31 armas brancas;
  • 11 armas de fogo;
  • 6 veículos;
  • 880 cigarros avulso;
  • 257 quilos de bivalves;
  • 5 765 euros em numerário.
  1. Trânsito:

Fiscalização: 10 874 infrações detetadas, destacando-se:

  • 2 726 excessos de velocidade;
  • 659 por falta de inspeção periódica obrigatória;
  • 537 relacionadas com anomalias nos sistemas de iluminação e sinalização;
  • 472 por falta ou incorreta utilização do cinto de segurança e/ou sistema de retenção para crianças;
  • 437 por uso indevido do telemóvel no exercício da condução;
  • 375 por condução com taxa de álcool no sangue superior ao permitido por lei;
  • 351 relacionadas com tacógrafos;
  • 240 por falta de seguro de responsabilidade civil.

Fonte: GNR-DCRPGNR Div Com Rel Publicas

Humana recolhe 2.875 toneladas de têxtil usado em Portugal para dar-lhes um fim social.

  • A recolha seletiva de têxtil permite uma poupança significativa às administrações locais. A Associação assume o custo deste serviço com o intuito de promover a proteção ambiental.

Humana Portugal, associação sem fins lucrativos que, desde 1998, trabalha a favor da proteção do meio ambiente através da reutilização têxtil e realiza tanto programas de cooperação para o desenvolvimento em Moçambique e na Guiné-Bissau como de apoio local em Portugal, recolheu 2.875 toneladas de têxtil usado em Portugal no ano de 2018. Este registo equivale a aproximadamente 6 milhões de peças de roupa que têm uma segunda vida graças à reutilização e à reciclagem. No entanto, as doações dos portugueses estão longe das metas impostas pela União Europeia (UE).

Em Portugal desfazemo-nos anualmente de 195.000 toneladas de roupa usada, mas apenas uma pequena parte se recolhe seletivamente por uma entidade autorizada para promover a sua reutilização ou reciclagem. Estes valores estão bastante longe dos 55% fixados pela UE, para o ano 2020, no que diz respeito à reciclagem de resíduos municipais. A Comissão Europeia deixa um alerta a Portugal e a outros 13 países sobre o risco de incumprimento deste objetivo: “Necessita fazer mais para que a cidadania e a economia possam beneficiar-se da economia circular”.

Depois dos resíduos orgânicos, das embalagens e plásticos; do papel e cartão, do vidro, o resíduo têxtil é a quinta fração que os portugueses mais geram e a que representa a percentagem de valorização mais alta - mais de 90%. Daí a importância de consciencializar a administração pública bem como a população para a necessidade da separação de resíduos. O facto de presenciarmos a crescente importância da economia circular, que define os resíduos como recursos, e o facto da recolha seletiva têxtil, em 2025, ser obrigatória por exigência da UE, uma competência que é municipal, tem vindo a incentivar ainda mais a nossa actividade.

Componente social

“Na Humana aplaudimos o trabalho dos municípios que promovem a recolha seletiva de têxtil”, refere Filipa Reis, promotora nacional da Humana Portugal, “e insistimos na importância de impulsionar um modelo de gestão sustentável que priorize a componente social”. “As administrações locais devem entender que têm um compromisso a cumprir no prazo de seis anos. Todas as partes implicadas devem redobrar os esforços para aumentar os valores de recolha seletiva, não só para respeitar o objetivo imposto por Bruxelas como também para potencializar o benefício ambiental e social da roupa usada”, acrescenta,

“ A Humana fortalece ano após ano o seu compromisso com a cidadania, baseado na transparência da gestão e seguimento dos resíduos graças a estritos mecanismos de controlo e a confiança em que as doações se convertem em recursos para os nossos fins sociais”, assegura a promotora nacional da Associação, “o nosso modelo funciona porque apostamos por um modelo circular para o têxtil, geramos e lutamos contra a pobreza mediante os nossos projetos de cooperação ao desenvolvimento”.

As peças de roupa e calçado recolhidos pela Humana procedem dos contentores verdes distribuídos por Portugal inteiro graças aos acordos com mais de 150 Câmaras e entidades privadas. Neles são depositados roupa, calçado, complementos e têxtil de lar que já não se utilizam para dar-lhes uma segunda vida. O serviço de recolha de têxteis é gratuito e representa uma poupança significativa nos gastos de recolha e tratamento dos resíduos urbanos.

O benefício ambiental

A reutilização e a reciclagem de têxtil contribuem para a poupança de recursos, a proteção do meio ambiente e a luta contra a mudança climática. Reduzem o desperdício em depósitos controlados e usinas de incineração, e consequentemente, a emissão de gases de efeito estufa. A Comissão Europeia calcula que por cada kilo de têxtil reutilizado e não incinerado evitamos a emissão de 3,169 kg de CO2. As 2.875 toneladas recolhidas em Portugal em 2018 representam uma poupança de 9.111 toneladas deCO2 para a atmosfera, coisa que o planeta agradece. Equivalem à emissão anual de 3.436 carros (que circulem 15.000 km anuais) ou à absorção anual de dióxido de carbono de 68.605 árvores.

Hierarquia de Gestão de Resíduos

O vestuário depositado nos contentores da Humana é enviado para os centros de classificação (em Espanha) e posteriormente é distribuído da seguinte forma:

  • 61% é preparado para reutilização: 15% é enviado para as lojas secondhand (de segunda mão) da Humana em Portugal e 46% corresponde a roupa de qualidade que se exporta, principalmente para África, onde é vendida a preços muito reduzidos, impulsionando assim a criação de novos recursos de cooperação ao desenvolvimento.
  • 29% não se encontra em estado que permita a reutilização pelo que é vendido a empresas de reciclagem têxtil.
  • 1% são resíduos impróprios (plástico, cartão, etc) são enviados para os gestores autorizados correspondentes
  • 9% tratam-se de resíduos que não se podem reutilizar, reciclar ou valorizar energeticamente, sendo estes enviados para um centro de tratamento de resíduos de forma a serem eliminados.

A roupa como motor de cooperação para o desenvolvimento, apoio local e sensibilização

A gestão sustentável do resíduo têxtil permite-nos obter os recursos necessários para investir em iniciativas sociais. Depois de mais de duas décadas de atividade, 13 milhões de pessoas beneficiaram dos programas de desenvolvimento da Humana nos países do Hemisfério Sul, através de doações e colaborações locais. Estes programas de cooperação na Guiné-Bissau e em Moçambique são desenvolvidos em zonas rurais com altos níveis de pobreza, promovendo um crescimento sustentável e a melhoria das condições de vida junto das comunidades onde operam. A Humana destina cada ano mais de 105,428€ para a formação de professores de educação primária, impulso da agricultura sustentável ou de luta contra o HIV/SIDA, entre outras ações. A valorização da roupa permite igualmente criar recursos, que em conjunto com as entidades públicas e privadas com quem estabelecemos parcerias, são destinados a iniciativas de sensibilização e de apoio local em Portugal.

Sobre a HUMANA Portugal:

A HUMANA Portugal é uma associação sem fins lucrativos que trabalha, desde 1998, a favor da proteção do meio ambiente promovendo a reutilização têxtil e realiza programas de cooperação de desenvolvimento em África e de apoio local em Portugal.

(http://www.humana-portugal.org/index.php?id=1)

Fonte: Humana PortugalHumanaPortugal2HumanaPortugal1

 

Comunicado conjunto do Ministro da Administração Interna e da Ministra da Presidência e da Modernização Administrativa.
Chegaram ontem a Portugal 23 pessoas ao abrigo do Programa Voluntário de Reinstalação do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), a partir do Egito.
O grupo é constituído por 15 adultos e 8 menores acompanhados (5 agregados familiares), sendo que a maioria dos adultos tem idades compreendidas entre os 20 e os 55 anos e, no caso dos menores, a maioria tem idade inferior a 16 anos.
Trata-se de nacionais do Sudão (9), Sudão do Sul (11) e Síria (3), que são acolhidos pela Cruz Vermelha Portuguesa em Elvas, Gondomar, Olhão, S. João da Madeira e Vila Viçosa.
Fazem parte de um grupo de pessoas refugiadas, candidatas à reinstalação em Portugal, que se encontrava no Egito sob proteção do ACNUR.  A reinstalação consiste num processo de seleção e transferência de refugiados, já  reconhecidos pelo ACNUR, de um país terceiro considerado o primeiro país de asilo, para outro Estado.
Em dezembro do ano passado, chegaram a Portugal as primeiras 33 pessoas do grupo que, em julho, integrou a missão de seleção realizada por uma equipa conjunta do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e do Alto Comissariado para as Migrações (ACM) naquele país.
Esta missão realizou-se na sequência da resposta portuguesa a um pedido da Comissão Europeia, dirigido aos Estados Membros, no sentido de serem reinstaladas na União Europeia, até ao final de 2019, 50 mil pessoas que carecem de proteção internacional. Portugal respondeu ao apelo manifestando disponibilidade para reinstalar até 1010 refugiados que se encontram sob proteção do ACNUR na Turquia e no Egito.
Em novembro, o SEF e o ACM realizaram a segunda missão de seleção no Egito e uma primeira missão à Turquia, com entrevistas a cerca de 300 pessoas que serão reinstaladas em Portugal. 
Portugal tem participado ativa e construtivamente no esforço europeu de acolhimento aos refugiados, apoiando as propostas da Comissão Europeia no sentido da construção de uma política europeia de asilo comum, assente nos princípios da responsabilidade e solidariedade, no respeito pela dignidade da pessoa humana e no combate ao tráfico de seres humanos.
Fonte: MAI
RefugiadosEgito23
 

Para ganhar vantagens na manutenção do carro e ajudar uma IPSS basta entregar equipamentos eléctricos e pilhas usadas nas oficinas aderentes.

Em 2019 ir a uma oficina AutoCrew pode fazer toda a diferença! A Amb3E – Associação Portuguesa de Gestão de Resíduos, gestora da Rede Electrão, e a AutoCrew – Uma marca de oficinas da Bosch, rede oficinal multimarca e multisserviços, juntaram-se para promover a primeira edição da campanha Electrão Auto, que tem como objectivo envolver os portugueses no desafio da reciclagem de resíduos eléctricos e pilhas e converter esse envolvimento num apoio social.

Assim, até dia 30 de Setembro, deixar equipamentos eléctricos, lâmpadas e pilhas usadas nas oficinas AutoCrew aderentes à campanha (ver aqui) significa estar a contribuir para uma melhor gestão dos resíduos e receber um check-up oficial simples* para o carro e ainda um desconto de 10% em peças de substituição da marca Bosch**.

As três oficinas que recolherem a maior quantidade de equipamentos eléctricos usados e a oficina que recolher a maior quantidade de pilhas e acumuladores usados vão receber um prémio monetário que vai reverter num apoio às IPSS escolhidas pelas próprias oficinas. Haverá, ainda, um prémio extra, caso as quantidades reunidas pela totalidade das oficinas atinja um patamar mínimo, que será doado a uma IPSS escolhida pela AutoCrew Portugal.

Cuidar do carro, do ambiente e ainda ser solidário vão ser três resoluções mais fáceis de cumprir com a Electrão Auto.
O Planeta e quem mais precisa, agradecem.

Fonte: LIFTEletraoAuto1

A Fundação Oceano Azul e o Oceanário de Lisboa, a Direção-Geral da Educação e a Câmara Municipal de Mafra apresentam o programa-piloto «Educar para uma Geração Azul». Este programa educativo ambiciona transformar as próximas gerações de portugueses nos cidadãos europeus mais comprometidos com a sustentabilidade e com a conservação do oceano.

Visa explicar às crianças a estreita dependência que os seres humanos têm do mar, o que raramente é compreendido, assim como a importância estratégica que o mar tem para os países costeiros e, em especial, para Portugal e para os seus habitantes.

Levar as crianças a crescerem conscientes da importância de contribuírem para a conservação do oceano - hoje seriamente afetado pelos impactos negativos da sua exploração e pelas alterações climáticas - é determinante para que este continue a ser o principal sistema de suporte à vida no Planeta.

Este programa, sem precedentes, implica a formação de professores do 1.º ciclo do ensino básico e a integração do primeiro manual sobre o oceano em contexto escolar. Este manual, que foi elaborado pela Fundação Oceano Azul e Oceanário de Lisboa, com o apoio e a validação da Direção-Geral da Educação, é inteiramente dedicado a temáticas sobre o oceano e destina-se aos professores, os principais dinamizadores desta iniciativa.

Com vista a aprofundar e desenvolver o tema no contexto escolar, o manual «Oceano, Educar para uma Geração Azul» aborda oito áreas fundamentais do conhecimento sobre o oceano, transversais a várias matérias, como literatura, ecologia, direito, estratégia, geografia, economia, história, física e química, e responde às perguntas: «Como é o oceano?», «Porque é importante o oceano?», «Quanto vale o oceano?», «Como influenciou o oceano a humanidade?», «Quem é o dono do oceano?», «Porque é especial o mar de Portugal?», «Como se protege o oceano?» e «O que há por descobrir no oceano?».  

Envolvendo cerca de duas dezenas de escolas do Município de Mafra, 180 professores já participaram, no início deste ano letivo, na ação de formação «EDUCAR PARA UMA GERAÇÃO AZUL - Estratégias para integrar a literacia do oceano na educação para a cidadania e no projeto de autonomia e flexibilidade curricular». O programa piloto estreia-se neste município, onde chegará a cerca de 4000 alunos e, ainda em janeiro, será iniciado também em Cascais, prevendo-se a sua expansão a outros Municípios.

O Programa “Educar para uma Geração Azul” foi desenhado de modo a permitir trabalhar, em Portugal, os conteúdos de Português, Matemática e Estudo do Meio do 1.º ciclo do ensino básico e as áreas de competências do Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, através dos ensinamentos do mar.

O oceano é explicado aos alunos através de atividades práticas e lúdico-pedagógicas, incentivando a realização de trabalho de campo nas zonas costeiras de Portugal, indo ao encontro das novas tendências da educação, que privilegiam o ensino de temas transversais, através de experiências dentro e fora da sala de aula.

A ambição é que, com este programa, se possa contribuir não apenas para formar cidadãos mais responsáveis, mas também mais preparados para viver no século XXI, marcado pela necessidade da sustentabilidade ambiental, pela economia verde e pela descarbonização das nossas sociedades.

Sobre a Fundação Oceano Azul

A sua génese resulta da convicção de que em tempos de profunda mudança, é necessário alterar comportamentos que permitam a coexistência do desenvolvimento humano com a proteção do oceano. Assim, a Fundação nasceu, em 2017, de uma vontade de reaproximar Portugal do mar e de ajudar o país a desenvolver uma geração azul e se posicionar como líder nos temas ligados ao oceano.

A Fundação Oceano Azul tem como eixos principais da sua atividade a Literacia, a Conservação e a Capacitação, sob o lema “From the ocean’s point of view”.

Fonte: JLMAOceanoGeracaoAzulOceanoGeracaoAzul1

Chama-se TOMI For All está disponível do centro ao sul do país, e garante que todos, independentemente das suas necessidades físicas ou cognitivas, possam procurar informação e serviços inteligentes na plataforma

O TOMI continua a ter um papel ativo na promoção de cidades mais inclusivas, tendo lançado recentemente o TOMI For All, que adapta os serviços disponíveis na plataforma a pessoas com deficiência.

Na ótica do design acessível, o TOMI desenvolveu uma experiência mais autónoma para os seus utilizadores e garante que todos, independentemente das suas necessidades físicas ou cognitivas, possam procurar informação e serviços inteligentes na plataforma.

Para José Agostinho, CEO da TOMI WORLD “o TOMI For All é um projeto que promove a inclusão e a autonomia dos cidadãos, permitindo que todos consigam procurar informação e aceder a serviços no TOMI, de forma adaptada às suas necessidades. O TOMI está a promover cidades mais acessíveis e inclusivas, no contexto do turismo e da cidadania”.

As novas evoluções da plataforma incluem um modo de acessibilidade para cidadãos com mobilidade reduzida, crianças ou pessoas de baixa estatura. Ao ser ativado este modo, o TOMI reposiciona a área interativa, tornando-a completamente acessível a pessoas em cadeira de rodas.

Para melhorar a experiência a pessoas com baixa visão ou cegas, o TOMI permite alterar o contraste, aumentar o tamanho de letra e ainda ativar a leitura em voz alta dos conteúdos do ecrã e aumentar o tamanho da letra e contraste. A navegação é feita através do toque no ecrã e a resposta é devolvida por sinal sonoro, realizando a leitura dos conteúdos textuais (descrições, moradas, informações adicionais), imagens e menus de navegação. Depois de ativado, o cidadão pode realizar um breve tutorial de navegação no seu idioma.

Para as pessoas com deficiência auditiva foram desenvolvidos vídeos interativos em língua gestual que explicam como utilizar o TOMI.

Os conteúdos, as notícias e os eventos também são otimizados para mais fácil compreensão por todas as pessoas, independentemente das suas capacidades cognitivas.

Ana Garcia, presidente da Accessible Portugal, que acompanhou o desenvolvimento do TOMI For All, considera o projeto inovador e arrojado. "As soluções que o TOMI For All preconiza, desenvolveu e continua a desenvolver, são únicas em Portugal e a nível internacional. Estando os equipamentos em espaços públicos, esta oferta inclusiva faz todo o sentido.”

Esta evolução faz parte dos objetivos do TOMI de tornar as cidades mais inteligentes e acessíveis e está já disponível em cerca de 100 cidades em Portugal, Brasil e Chile.

Fonte: LPMTomiForAll

A Associação Turismo do Algarve volta a participar na Feira Holiday World Dublin, que se realiza no RDS Simmonscourt, em Dublin, de 25 a 27 de janeiro. 

À semelhança de anos anteriores, a ATA vai participar com um stand de 36m2, em conjunto com as empresas suas associadas, nomeadamente: Four Seasons Fairways, Quinta do Lago Hotel, Ria Park Hotels, Hilton Vilamoura As Cascatas Golf Resort & Spa, Magnolia Hotel, Garvetur S.A., Monte Santo Resort, Marina Club Lagos Resort, Monte da Quinta Resort, Castro Marim Golfe & Country Club, Holiday Inn Algarve, Zoomarine, Colina Verde Golf & Sports Resort.

Esta participação conjunta, permitirá assim uma maior visibilidade do destino e a possibilidade aos associados de reforçarem contactos com profissionais do sector e com o público em geral.

A feira tem como principal target o público em geral, embora haja afluência de bastantes operadores e agências de viagens locais.

O mercado irlandês foi o 3º mercado externo para o Algarve que em 2018 em termos de dormidas, segundo dados oficiais do INE, até ao mês de Setembro, apresentou um crescimento de 3.0% face ao período homólogo, num total de 1.079.854 dormidas. No que concerne ao numero de hóspedes, é o 5º mercado externo e houve igualmente um aumento de 3.1%, no mesmo período, num total de 193.693 hóspedes em alojamento classificado.

Produto: Sol e Mar
Mercado: Irlanda

Fonte: ATAATA

A Associação Turismo do Algarve irá marcar presença pela primeira vez na feira de turismo Adventure Travel Show, que decorrerá de 19 a 20 de janeiro, em Londres.

Trata-se de um certame dedicado a actividades ao ar livre e aventura, onde o Turismo de Portugal não estará presente, pelo que a ATA participa nesta iniciativa juntamente com as ARPT's Alentejo e Madeira.

O stand modular da região terá aproximadamente 15m2 e será decorado com imagens alusivas ao Turismo de Aventura, principal motivação dos visitantes desta feira. 

Pretende-se com esta participação divulgar o potencial da região para a prática de actividades outdoor e de aventura.

Para informações adicionais consultar o website oficial da feira: www.adventureshow.com

Produto: Natureza
Mercado: Reino Unido

Fonte: ATAATA

A Associação Turismo do Algarve participa, mais uma vez na Foire Vakanz, considerada a maior feira de viagens e turismo de Luxemburgo, a ter lugar na LuxExpo, em Kirchberg, de 18 a 20 de janeiro. 

Em 2018, a feira contou com a participação de cerca de 200 stands, com expositores de todo o mundo, num espaço de 14 mil m², registando cerca de 29 mil visitantes, público este, cosmopolita, multicultural e multilingue, com um alto poder de compra.

Para informações adicionais consultar o website oficial da feira: expovakanz.lu

Produto: Sol e Mar
Mercado: Luxemburgo

Fonte: ATAATA

A Associação Turismo do Algarve irá participar na Matka Nordic Travel Fair 2019, que se realiza no Helsinki Exhibition & Convention Centre, em Helsínquia, na Finlândia, de 17 a 20 de janeiro. 

O Algarve faz-se representar num stand destino, decorado com imagens genéricas da região, partilhado com empresas associadas, dando assim visibilidade ao destino e a possibilidade aos associados de estabelecerem negócio, novos contactos com profissionais do sector e com o público em geral.

Organizada anualmente, a MATKA Nordic Travel Fair é o maior evento da indústria de viagens no norte da Europa e em 2018, contou com cerca de 68.505 visitantes e 914 expositores de 84 países.

Para informações adicionais consultar o website oficial da feira: matka.messukeskus.com

Produto: Sol e Mar
Mercado: Finlândia

Fonte: ATAATA

 

No âmbito da estratégia promocional para 2019, a ATA marcará presença na 51ª edição da Feira CMT 2019, que decorrerá de 12 a 20 de janeiro, em Estugarda, na Alemanha. O Algarve estará representado com dois stands promocionais, um generalista do destino e outro com enfoque no Turismo activo. 

Esta feira é apontada como uma das maiores feiras mundiais de turismo e lazer, onde são apresentadas anualmente as mais recentes novidades do sector. Com novo recorde de número de visitantes na edição de 2018 (265.000), a CMT 2019 espera contar com cerca de 2.200 expositores de aproximadamente 100 países, bem como com mais de 1.500 jornalistas credenciados.

Produto: Natureza , Sol e Mar
Mercado: Alemanha (Estugarda)

Fonte: ATAATA

No âmbito da estratégia promocional para 2019, a ATA participa na feira FERIEN 2019, que decorrerá de 10 a 13 de Janeiro, em Viena, na Áustria.

Na edição de 2018 esta importante feira bateu novo recorde ao receber 800 expositores, oriundos de mais de 80 países e 153.224 visitantes durante os 4 dias de certame.

Para informações adicionais consultar o website da feira: www.ferien-messe.at/en/en-home/

Produto: Sol e Mar
Mercado: Áustria

Fonte: ATAATA

O Complexo das Piscinas Municipais de Silves acolheu, na passada semana (dias 12 e 13 de janeiro) 295 nadadores de 11 clubes, que participaram no Torneio Regional de Velocidade em Natação. A prova, organizada pela Câmara Municipal de Silves (CMS) e Analgarve, teve como clube vencedor Portinado.

O Aquático Clube de Silves, clube do concelho que participou nesta prova, viu a sua nadadora Carolina Viana sagrar-se campeã regional de 50m bruços com recorde do Clube e Guilherme Gomes recebeu a medalha de ouro nos 50m Mariposa e nos 50m costas, tendo, nesta última, prova batido o recorde regional que já tinha sete anos.

Recordamos que este torneio incluiu provas de velocidade que variaram entre os 50 e 100m nos escalões infantis, juvenis, juniores e seniores.

Fonte: GRP do Mun SilvesNatacaoSilves2NatacaoSilves1

O Karaté Benfica de Olhão voltou a marcar pontos internacionalmente, com o atleta Catalin Botnariuc a conquistar a medalha de Ouro em Kumite Juvenil - 45 Kg Masculinos, no Grand Prix Toscana, que se realizou este fim de semana em Itália.

O Município de Olhão felicita o jovem atleta e o clube olhanense.

Fonte: Mun OlhãoKarateOlhao

 

No próximo dia 3 de fevereiro, o Crosse Internacional das Amendoeiras em Flor está de volta a Albufeira. A prova mundialmente conhecida pelo símbolo das “sapatilhas douradas” traz à Pista de Crosse das Açoteias alguns dos nomes mais sonantes do atletismo que, este ano, irão disputar em simultâneo a 56.ª Taça dos Clubes Campeões Europeus de Corta Mato. A competição vai ser transmitida em direto pel’A Bola TV.

A 42.ª edição do Crosse Internacional das Amendoeiras em Flor vai realizar-se no próximo dia 3 de fevereiro, na Pista das Açoteias. A prova volta a incluir a Taça dos Clubes Campeões Europeus de Corta Mato, que irá juntar mais de 500 atletas de 21 países e um vasto público para apreciar uma das competições desportivas mais importantes da região, que tem levado o nome de Albufeira além- fronteiras. Em competição estarão 63 equipas distribuídas por 20 equipas de seniores masculinos, 16 de seniores femininos, 16 de juniores masculinos e 12 de juniores femininos. Destaque para os representantes de Portugal, o S.L. Benfica com 10 atletas de Sub 20 femininos e o Sporting C.P. com 30 atletas divididos por Sub20 femininos e seniores masculinos e femininos.

O Crosse Internacional das Amendoeiras e a 56ª Taça dos Clubes Campeões Europeus de Corta Mato em Flor vão ser transmitidos em direto pel’A Bola TV, entre as 11h15 e as 13h15, horário em que se disputam os escalões de seniores masculinos e femininos. Pode também assistir às provas em tempo real - live streaming- através do link: https://www.albufeira2019.com/live-streaming/

Mas as competições não ficam por aqui. Depois da disputa do Crosse e da TCCE (Taça dos Clubes Campeões Europeus) haverá o Campeonato Regional de Corta Mato Curto e, a seguir, terá ainda lugar uma prova regional que conta com mais de meio milhar de participantes só do Algarve. O 17.º Corta Mato das Areias de São João terá início às 14h00, com os escalões de Benjamim, Infantil, Iniciado e Juvenil.

O Crosse inclui também o Desporto Adaptado, que tem lugar na parte da tarde, pelas 15h00, e o Desporto Escolar e de Formação que, no total, reúnem perto de 3000 participantes em representação de 80 por cento das escolas algarvias. Este ano, o Corta Mato Regional do Desporto Escolar realiza-se no dia 8 de fevereiro, às 10h00, na Pista de Crosse das Açoteias. Nesta competição serão apurados os alunos e as escolas, dos escalões de iniciados e juvenis, de ambos os sexos, que irão representar a Direção Regional de Educação do Algarve no Corta Mato Nacional.

Fonte: GRP da CM AlbufeiraCrosseAmendoeiras1CrosseAmendoeiras2CrosseAmendoeiras3

Nos passados dias 12 a 13 janeiro, realizou-se o Torneio Regional Velocidade, no Complexo de Piscinas de Silves. Estiveram presentes um total de 295 nadadores, representando 11 clubes da nossa associação.

A equipa da Portinado foi a vencedora do torneio, alcançando um total de 41 medalhas, seguido pelo Louletano e pelo Natação de Beja.

A melhor performance masculina em pontos FINA foi o nadador Tiago Vila Nova (Portinado), com 561 pontos, obtidos na prova dos 100m estilos, e com o tempo de 1:00,97. Em femininos, a melhor performance foi para a nadadora Isabel Figueira (Natação Faro), com 626 pontos, obtidos na prova dos 50m bruços, com o tempo de 33,47.

Fonte: AnalgarvePortinadoNatacao

O campeão olímpico e europeu de triplo salto, Nelson Évora, encontra-se a estagiar, até ao dia 20 de janeiro, no Centro de Alto Rendimento de Vila Real de Santo António.

O atleta sportinguista está no Algarve acompanhado pelo seu técnico, Iván Pedroso, que se encontra igualmente a orientar o francês Teddy Tamgho, recordista mundial do triplo em pista coberta, e Alexis Copello, que compete pelo Azerbaijão.

«Posso dizer que temos em a treinar em VRSA uma formação digna de um campeonato do mundo. Fui eu, aliás, que sugeri ao meu técnico para estagiar em Vila Real de Santo António, tendo em consideração as ótimas condições ao nível de equipamento, clima e envolvente deste Centro de Alto Rendimento», afirma Nelson Évora.

O treino inicial do atleta foi acompanhado pela presidente da Câmara Municipal de VRSA, Conceição Cabrita, que agradeceu o facto de, «uma vez mais, Nelson Évora ter escolhido o Complexo Desportivo para a preparação da época e constituir um verdadeiro embaixador do atletismo nacional e do próprio município», onde treina desde 1998.

Nos próximos meses, Nelson Évora planeia competir no Europeu de pista coberta, que decorre em Glasgow, de 1 a 3 de março, estando igualmente em calendário a sua participação no Mundial ao ar livre, que vai ter lugar no Qatar, de 27 de setembro a 6 de outubro.

Recorde-se que o Complexo Desportivo de Vila Real de Santo António foi integrado, em 2015, pela Fundação do Desporto, na rede nacional de Centros de Alto Rendimento Desportivo (CAR), estando vocacionado para as modalidades de atletismo, judo, futebol, triatlo e natação.

Atualmente, é um dos mais credenciados equipamentos a nível nacional e europeu, recebendo anualmente perto de 7 mil estágios desportivos. Integra ainda, nas suas estruturas de topo, um centro médico.

Fonte: GC do Mun VRSANelsonEvoraVRSA1

Vai decorrer o "Torneio de Ginástica Acrobática Adaptada e Inclusiva" no dia 19 de janeiro, sábado das 12h00 às 14h00, no Pavilhão Desportivo de Albufeira.
 
A adaptação da modalidade de Ginástica Acrobática para pessoas com limitações ou deficiência acontece desde 2014 no Algarve, pela mão da parceria entre a Associação Algarvia de Pais e Amigos de Crianças Diminuídas Mentais e a Associação de Ginástica do Algarve.
Esta iniciativa tem sido reconhecida e premiada, sendo que neste torneio vão participar 46 ginastas com diferentes limitações (deficiência intelectual, deficiência visual e deficiência motora). Demonstrando que a ginástica é um desporto que consegue abraçar todos e num modelo verdadeiramente inclusivo, em que ginastas sem deficiência cooperam com os ginastas com deficiência em lindas coreografias de arte inclusiva em movimento. 
Fonte: AAPACDM
GinasticaAdaptada1GinasticaAdaptada2

 

 

Parceiros

Mais Kizomba
UF Faro
Gente Gira Algarve
LOGOTIPO_Small
Faro 1540
Pens USB